BV Acre

Seja bem vindos a

Busca da Visão das Tribos

DJI_0870

Em busca de novas experiências, novos horizontes

Sejam todos bem vindos e bem vindas à Jornada da Busca da Visão, uma imersão inesquecível que acontecerá em meio a floresta Amazônica, no Acre, em conjunto as etnias indígenas das grandes Nações Nawas, Huni Kuin (Kaxinawá), Noke Koi (Katukinas), Shawãdawa (Povo Arara) e os Nukini (Povo da Onça), serão as tribos principais, mas também contaremos com a visita das etnias Poyanawa e Shanenawa (Povo do Pássaro Azul)  Cada um com comitivas formadas com as lideranças junto a caciques, arumuyas, pajés, txanas, curadores, artesões e demais membros das tribos presentes.

Esta será a primeira grande troca de conhecimentos, medicinas, sabedorias, realizações sociais e espirituais entres as etnias e nós, buscadores culturais e xamânicos. Com uma programação diversificada, poderemos realizar nosso próprio caminho nesse encontro único com a floresta e suas belezas. Através desta união estaremos caminhando num mergulho cultural, passando por momentos de profundas reflexões, ressignificando nosso caminho com o apoio das medicinas da floresta, pajés e o Mestre. As etnias Indígenas e a Ordem Polimata, em especial a participação de Sua Graça Sri Guru Maharaj Acarya Mahasurya Pandit Swami, serão seus guias nesta jornada.

No interior da floresta amazônica, no estado do Acre, na região de Cruzeiro do Sul, iremos nos reunir na Comunidade do Templo Polimata de Cruzeiro do Sul, para este encontro único com os povos irmãos que se encontram a muito separados, recebidas neste evento especial.

Nossa proposta é promover uma vivência com grupos pequenos, com qualidade na hospedagem, infraestrutura, atividades e alimentação em nosso Hostel de Selva, carinhosamente chamada de Pousada do Nagual, que se encontra com capacidade reduzida neste momento, e com toda a prevenção demandada pela pandemia. Todas as pessoas envolvidas estarão vacinadas e/ou testadas para o Corona Vírus, todos os nossos visitantes deverão passar por testes antes de entrarem no evento, para a prevenção de todos e em especial dos membros das etnias participantes.

Entre as atividades estão: Workshops culturais, de culinária e artesanato, passeio pela floresta e igarapés, rituais de gnose-vegetal, pajelanças, passeio de barco pelo Rio, estudos e aulas relacionadas ao Xamanismo do Caminho Verde Amazônico e também, aos que desejarem, formação em alguns conhecimentos xamânicos.

Com o objetivo também de reunir os principais arumuyas, pajés, curadores e txanas, como nossos mestres em desvendar os segredos e rotinas realizadas pelos buscadores de gnose-vegetal, que muitas vezes sem  conhecimento adequado se colocam perdidos em sua caminhada, aqui também abriremos a primeira oportunidade do início de formação de curadores como ocorre dentro do Polimatismo com a ajuda dos txais e em especial de Sua Graça Sri Guru Maharaj Acarya Mahasurya Pandit Swami, conhecido dentro das tribos como Arumuya Kane (Satanawa Varinawa)

Nossa Jornada

A fim de possibilitar a realização dentro da busca individual de cada um, as atividades serão divididas em 2 propostas.

11 dias

Jornada do Curador

21 a 31 de outubro de 2021

A jornada do curador é voltada para terapeutas, mestres de tradições ligadas à gnose-vegetal, buscadores que desejam aprender e se aprofundar nos segredos das medicinas da floresta, como a Ayahuasca, o Rapé, a Sananga, o Kambô, estudando seus mistérios, produção e aplicação com o apoio dos Arumuyas, Pajés, Curadores e Txanás das etnias, Huni Kuin (Kaxinawá), Shawãdawa, Noke Koi (Katukinas) e Nuki-ni, com participação de convidados especiais de outras etnias, juntamente com os mateiros, botânicos, e mestres da Ordem Polimata e, também, a presença especial de Sua Graça Sri Guru Maharaj Acarya Mahasurya Pandit Swami, como guias desta jornada de profundo conhecimento e realização. Cada um com comitivas indígenas serão formadas com as lideranças junto a caciques, arumuyas, pajés, txanás, curadores, artesãos e demais membros das tribos presentes.

 

Contaremos com uma programação especial aos buscadores dimensionais e espirituais, onde o convívio diário com as etnias indígenas e o Mestre nos revelarão histórias, mitologias, culinária, botânica, espiritualidade, biologia e segredos da floresta, levando nós, seres urbanos, a vivenciar uma experiência de reconhecimento do nosso lado natural e simples, inspirados pelos povos da floresta.

Nesta proposta, teremos a oportunidade de experiências em vários rituais com ayahuasca, sob a perspectiva da realização cognitiva de cada etnia presente, com a união de todas em um só caminho: a supraconsciência da jornada de realização espiritual.

Simultaneamente à Busca da Visão, ocorrerá o 5º Feitio Polimata em plena mata amazônica, sendo uma oportunidade aqueles que também desejam conhecer o processo e manuseio desta medicina sagrada em sua fase de preparação.

Agenda

Recepção e check-in, lanche de iguarias Amazônicas – Açaí, Frutas, Caiçuma …

Palestra de Boas Vindas sobre a Busca da Visão e recomendações gerais para nossa melhor experiência.

Recepção das etnias indigenas Huni Kuin (Kaxinawá), Noke-kuin (Katukina) e Nuki-ni – Palestra, Canções, Pinturas e Danças de Boas Vindas

1º Ritual de Kambô com a Etnia Noke Koi (Katukina) que são referência na tradição do Kambô, são conhecimentos que estão ligados diretamente com o processo de estudo dos curadores. Os estudos iniciais de Kambô nesta etapa serão passados pelos Pajés e Curadores das tribos participantes.

Pajelança de Uni com a comitiva da tribo Katukina, a chamada da força com Ayahuasca e os Espíritos da floresta ancestrais, o primeiro passo de nossa caminhada.

2º Ritual de Kambô com a Etnia Huni Kuin (Kaxinawa) que são referência na tradição do Kambô, são conhecimentos que estão ligados diretamente com o processo de estudo dos curadores. Os estudos avançados de Kambô com Sua Graça Sri Guru Maharaj Acarya Mahasurya Pandit Swami, aonde aprenderemos diagnostico, aplicação, procedimentos de saúde, acompanhamentos, indicações e contraindicações do Kambô.

Passeio na floresta com as Tribos: As plantas mágicas e curativas: conhecimentos e identificação de espécies (taxonomia)

A proposta desta vivência botânica abordará os seguintes tópicos: as plantas sagradas; plantas medicinais encontradas na nossa reserva (breu, samambaia, casca de jatobá) mitos das plantas; visita aos reinados; visita ao partido de sananga; visita aos jagubes plantados na mata; caracteres morfológicos que auxiliam na identificação de algumas espécies de poder.

O objetivo da atividade é: conhecer um pouco do potencial terapêutico da biodiversidade florística amazônica e aprender a reconhecer caracteres morfológicos que auxiliam na identificação destas espécies.

A noite teremos uma caminhada pela noite na mata junto as tribos e medicinas, aonde buscaremos os espíritos das matas Ioshins e Ushanovos. Uma noite magica dentro da Mata.

3º Ritual de Kambô com Sua Graça Sri Guru Maharaj Acarya Mahasurya Pandit Swami, avaliação individual de cada participante.

Curso de Rapé é um estudo avançado em que aprendemos desde a colheita das medicinas, secagem, produção, medicinas usadas, cinzas, tabaco …. Nossos professores serão os feitores das tribos e da Ordem Polimata representada pela Medicinas da Jiboia, Rapé Nawa e Rome Poto.

Pajelança de Uni com as comitivas, a chamada da força com Ayahuasca e os Espíritos da floresta ancestrais, o primeiro passo de nossa caminhada.

Passeio de barco no famoso Rio Croa, aonde temos uma rica fauna e botânica neste igarapé conhecido pelo folclore amazônico, as comunidades ribeirinhas e tribos indígenas que ali habitam, teremos a oportunidade de entrar no rio, degustar a comida regional típica. Um lugar único em biodiversidade, as margens do rio Croa, recebe pessoas do mundo todo, sendo um roteiro indispensável na região do Vale do Juruá.

Nessa oportunidade seremos recebidos pelo povo Shawãdawa numa pequena comunidade ribeirinha, onde iremos conhecer mais sobre as medicinas da floresta e a espiritualidade do povo Arara e participar de uma cerimônia de Ayahuasca.

Neste dia estaremos aprendendo com os txanas as invocações e canções tribais, em outras palavras aprendo a chamar a força e controlar através da música relacionadas aos Ioshins e Ushanovos tribais.

Estudo de Gnose-Vegetal na Ayahuasca com Sua Graça Sri Guru Maharaj Acarya Mahasurya Pandit Swami, aprendermos a mais do que entrar no nagual, mais como se movimentar e associação com mentores, as questões dos adversários dimensionais, controle da força, base de pajelança entre outras questões importantes relacionadas pelo Mestre.

Pajelança de Uni com as comitivas, a chamada da força com Ayahuasca e os Espíritos da floresta ancestrais, o primeiro passo de nossa caminhada.

Estudo de Sananga que é o famoso colírio indígena em que iremos colher, preparar e aplicamos a nossa própria medicina com os estudos também botânicos, preparação, aplicação medicinal, aplicação espiritual.

Estudo pratico de Projeção Astral e Dimensional  com Sua Graça Sri Guru Maharaj Acarya Mahasurya Pandit Swami, ensinamentos essenciais para a realização do ritual de morte xamanica.

Festival Indígena com as etnias participantes e vários convidados de outros povos indígenas, como parte cultural indígenas os festivais de brincadeiras são parte essencial de sua identidade social, estaremos nos pintando com um só povo, brincadeiras, esportes tribas e várias atividades neste dia cheio de surpresas.

No final teremos um ritual e pajelança de gnose-vegetal (ayahuasca) da união das nações, aonde todas as etnias unirão suas forças neste momento de união física, mental e espiritual extremamente rara.

Feitio de ayahuasca, estaremos realizando o feito da ayahuasca da Busca realizado pelos Feitores da Ordem e as Tribos presentes. Estaremos estudando o processo de produção de ayahuasca na pratica, vivenciando a difícil tarefa a ser realizada.

Ritual de Morte Xamanica de ayahuasca em nossa jornada, um mergulho dimensional dentro da floresta e de nós mesmos, em que iremos colocar os ensinamentos aprendidos em nossos estudos em pratica, o comando este ritual será da Ordem Polimata com Sua Graça Sri Guru Maharaj Acarya Mahasurya Pandit Swami junto com convidados do Mestre entre eles arumuyas, pajés e txnas das tribos.

Pajelança de Uni com as comitivas, a chamada da força com Ayahuasca e os Espíritos da floresta ancestrais, o primeiro passo de nossa caminhada

Despedida ritualística dos Povos, da equipe da Busca da Visão, Templo e de Sua Graça Sri Guru Maharaj Acarya Mahasurya Pandit Swami.

Traslado para Cruzeiro do Sul e/ou Aeroporto

* Translado da cidade ou aeroporto para o Templo CZS nos dias determinados, Café-da-manhã, almoço e jantar inclusos.

* Sujeito a mudanças de programação devido a pandemia, tempo entre outras causas possíveis de ocorrer dentro da floresta.

Galeria

Encontro no Templo Polimata
Nawa durante a Busca da Visão

Encontro das 6 Etnias Nawas

Quando a grande nação Nawa que habitava o estado do Acre foi conhecida pelo governo, ela foi dividida em 17 etnias, e agora iniciamos a união destes povos indígenas.

A união é o caminh. O encontro destas etnias será um momento único e muito raro de troca de conhecimentos, amizade, medicinas, tornando o elo indígena mais forte.

Vindos de leste a oeste do estado do Acre para este encontro, algumas caravanas viajarão alguns dias para poderem se reunir.

Huni-kuin | Kaxinawa

Kaxinawa Image 2021-04-28 at 19.31.25

Os Huni Kuin, ou povo verdadeiro, é uma das etnias mais conhecidas do Acre – uma grande nação, famosa pelo nixipã (ayahuasca) e canções belíssimas que abrem as mirações. Com uma arte muito peculiar em design, realizam ainda tecelagem muito significativa pois se relacionam com as próprias mirações, realizando uma arte dimensional. Dentro das aldeias mais remotas na selva ainda existem grandes arumuyas e pajés. Receberemos uma comitiva formada por arumuyas, pajés, curadores e txanas além de representantes do círculo feminino.

Noke Koi | Katukina

DSC_0441

Os Noke Koi, termo livremente traduzido como “gente verdadeira”, falam uma língua da família linguística Pano (noke vana) e se reconhecem internamente em seis outras autodenominações, que se referem aos seis clãs nos quais se dividem: Varinawa (povo do Sol), Kamanawa (povo da Onça), Satanawa (povo da Lontra), Waninawa (povo da Pupunha), Nainawa (povo do Céu) e Numanawa (povo da Juriti)

Em recuperação social, com apenas 2 núcleos tribais, famosa pela medicina do Kambô, sendo uma tradição muito forte tribal, possui um dos arumuyas e curadores de Kambô mais famosos da região e com grandes txanas com lindas e hipnotizantes canções chamando a força da floresta. Um povo muito orgulhoso de sua associação com os pajés místicos das etnias nawas como Satanawã, e de seus mistérios relacionados a floresta. Receberemos uma comitiva formada por arumuyas, pajés, curadores, txanás e o círculo feminino também estará representado.

Shawãdawã | Povo Arara

DSC_0441

O povo Arara é uma etnia indígena em recuperação cultural, vivendo em sua maioria em rios e igarapés afastados dos centros urbanos. São conhecidos pelo refinamento de sua arte em penas, kanes e artesanato em geral, como os famosos rapés fortes entre outras medicinas da floresta, um povo calmo, tranquilo e de difícil acesso. Receberemos uma comitiva formada por arumuyas, pajés, curadores, txanas e o círculo feminino também estará representado.

Shanenewa | Povo do Pássaro Azul

DSC_0441

O povo do pássaro azul e um povo alegre e muito trabalhador, vivem no centro do estado do Acre com poucas aldeias com acesso permitido. Famosos pela música tribal, artesanato e danças, uma cultura forte e ativa. Possuidora de alguns segredos botânicos ainda presentes na tradição. Estaremos recebendo uma comitiva formada por arumuyas, pajés, curadores, txanas e o círculo feminino também estará representado.

Nukini | Povo Onça

Nukini

O famoso povo onça da Serra do Moa, aonde os mistérios ainda se encontram vivos com o Mapingari, Homens primitivos, Criptozoologia. Vindos da divisa do Acre com o Peru, vivem ainda de forma primitiva como poucas hoje em dia, e com poucas aldeias e quase sem acesso a esta etnia indígena. O Povo dos mistérios estarão nos levando a este mundo místico diário a floresta amazônica.  Receberemos uma comitiva formada por arumuyas, pajés, curadores, txanas e o círculo feminino também estará representado.

Poyanawa

Poyanawa

Povo em recuperação cultural devido a escravidão, eram famosos pelas tatuagens azuis nos rostos e artesanato muito rico. Antigamente eram temidos pelo fato cultural de comerem os seus mortos em grandes cozidos que eram divididos entre a tribo. Hoje são um povo tranquilo em busca de sua identidade cultural

 

* Sujeito a mudanças de programação devido a pandemia, tempo, entre outras causas naturais da região amazônica.

Pandemia

covid

A Pandemia de Covid-19 tem sido um momento de transformação planetária, todos os países e povos se encontraram com um inimigo em comum. A Ordem Polimata, Busca da Visão e as Etnias Indígenas envolvidas criam um protocolo rígido para a proteção de todos, em especial nossos visitantes e as etnias que necessitam de atenção especial.

Todas as pessoas envolvidas terão que passar por testes para entrarem no local com o apoio da equipe de enfermagem que participará do evento. A maioria da organização e os indígenas estarão já vacinados de forma responsável neste momento. O local será higienizado constantemente para a segurança de todos.

E devido a este momento de pandemia teremos um número reduzido de participantes.

Gastronomia

VALPARAISO---SEM-LOGO-(1)

Uma viagem culinária pelo Norte do Brasil, a tradição Acreana e indígena amazônica, com suas frutas exóticas, sucos, sementes com paladares únicos a serem descobertos.

Grande parte dos alimentos são orgânicos produzidos no local ou arredores, parte trazidas pelos índios e caboclos da região.

Teremos a oportunidade de inclusões culinárias tribais das etnias, produzidos em comunidade junto aos nossos visitantes.

A culinária é de muita importância para a Busca da Visão, com isso a exemplo das outras buscas será com certeza um ponto forte.

Atividades Culturais

DSC_0478

Neste mergulho cultural dentro das etnias indígenas e da cultura amazônica estaremos aprendendo os costumes, pensamentos, rotina que a floresta impõe, sabedorias e ações típicas da região.

A arte indígena é muito importante como base da expressão cultural, canções e os mitos que fazem parte da cognição que mergulhamos com esta Busca da Visão. As brincadeiras indígenas são mais do que simples diversões, são expressões de equilíbrio social dentro das culturas tribais. Parte disso são a livre expressão dos festivais que as etnias realizarão aos participantes.

VALPARAISO---SEM-LOGO-(1)

Hostel do Nagual

Nosso Hostel será inaugurado neste evento, são 30 vagas de hospedagem e conta com pequenos confortos dentro da selva como internet, bar, restaurante, áreas de relaxamento, passeios turísticos, área social além da infraestrutura do Templo Polimata de Cruzeiro do Sul

Ayahuasca

Ayahuasca

O vinho das almas é um enteógeno poderoso que nos leva a uma experiência holística intensa, manifestando efeitos fisiológicos entre os efeitos mais conhecidos são as visões. Entramos no mundo do nagual aonde podemos ter relação com nosso subconsciente, espíritos e ao mundo espiritual de forma profunda. Entramos em estados profundos de supraconsciência durante os rituais, experiências únicas vividas na Mata, junto as Etnias e o Mestre.

Durante as atividades acontecerá o 5º Feitio de Ayahuasca do Templo Polimata de Cruzeiro do Sul, que poderá ser acompanhado por todos os participantes, consagraremos as ayahuascas produzidas durante a Busca da Visão.

Rapé

DSC_3251

Os rapés indígenas diferem muito dos conhecidos rapés, pois além de serem muito mais fortes, nos afetam fisiologicamente e também em nosso estado de espírito. Usado pelos pajés como força curadora, visionária e em especial de comunicação entre as pessoas e espíritos para os mais treinados nas artes da pajelança. A Ordem possui feitores e mateiros com amplo conhecimento de rapés que se somarão aos indígenas. Vários feitios de rapés ocorrerão durante o evento pelos irmãos indígenas e polimatas.

Kambô

applying-kambo

A Vacina do Sapo é o nome popular para a aplicação das secreções produzidas pela “perereca” Kambô (Phyllomedusa bicolor) em pequenos ferimentos produzidos artificialmente nos braços ou nas pernas de uma pessoa, para que as substâncias presentes na pele do animal penetrem na circulação sanguínea. O procedimento é realizado por pajés e curadores indígenas, designados por alguns como “sapeiros” no norte do Brasil, e integra o conjunto de práticas da medicina indígena praticada na Amazônia, tradicionalmente usado como revigorante e estimulante para caça, considerado como um “remédio da ciência” – por suas propriedades bioquímicas – e como um “remédio da alma”

Gnose-Vegetal

As etnias amazônicas são conhecidas pela preservação ativa realizada por vários e seus mistérios escondidos nas matas, hoje existe uma busca real em torno das medicinas indígenas e em especial as chamadas ervas de poder, entre as mais conhecidas podemos destacar.

Sananga

Nome genérico para colírios utilizados pelas tradições indígenas, existem 4 tipos de sanangas conhecidas (Sananga de folha, a do prejo, a de tronco e a mais rara chamada de Sananga doce). Conheceremos estas diferenças tendo experiências diferentes com etnias diferentes sobre esta medicina muito comum. Além de ajudar em casos de catarata, permite uma visão mais longa e clara, como também enxergar no escuro temporariamente.

5º Feitio de Ayahuasca do Templo Polimata de Cruzeiro do Sul

Há 05 anos, A Ordem Polimata com objetivo de produzir suas próprias medicinas, se esforça em busca do refinamento das medicinas, em especial a ayahuasca, o que levou a fama de uma medicina extremamente forte. A Ordem se utiliza de plantio próprio e seleção de mudas em nossa estufa centralizada.

Durante este feitio produziremos vários graus dentro de nosso padrão polimata, desde o grau mínimo de nossa tradição que são os 6º, 7º os semi-mel 10º,  15º, os mel  33º, 66º e supra-mel 108º e 200º, entre outros.

Todos poderão participar e conhecer como se produzir uma das melhores ayahuascas realizadas atualmente de forma regular.

VALPARAISO---SEM-LOGO-(1)

Investimento

1º Lote
até 15 de Setembro de 2021

Curador

R$ 4.600,00

Avista com Pix | Boleto
ou em 6X no cartão
RESERVAR

Os 3 primeiros buscadores ganham

– 1 diária extra no Hostel Nagual
– 1 rapé
– 1 kanê

Os 10 primeiros buscadores ganham

– 1 diária extra no Hostel Nagual
– 1 rapé

Condições Gerais

Os valores pagos para participar do evento “Busca da Visão”, são de caráter individual, valendo para um único participante com acomodação no Hostel Nagual em quarto compartilhado.

Ao Templo Polimata reserva-se o direito de devolver integralmente os valores pagos para participação nos eventos por ele (Templo Polimata) realizados caso o participante não seja aprovado/qualificado em sua ficha de Anamnese.

Maiores esclarecimentos e detalhamentos do pacote/evento, deverão ser independentemente da divulgação em site, tratados via aplicativo WhatsApp no número (11) 91045-0108.

Formas de Pagamento

  1. Parcelamento no cartão em até 6x.
  2. Descontos para:

Membros Irmandade Polimata

Participantes dos eventos anteriores

Desconto exclusivo para Membros do Clã dos Ioshins

(entrar em contato via whatsapp para o desconto)

  1. Outras informações e aconselhamentos, entrar em contato conosco.

Devoluções

  1. Caso o participante, decida sem justa causa, não comparecer ao evento, o mesmo deverá avisar com no mínimo 30 dias de antecedência e o valor a ser devolvido é de 50%.
  2. Em caso de desistência por motivos de saúde, entrar em contato para resolução.
  3. Em caso de Lockdown devido ao Covid, o evento será adiado e o buscador pode realizar em nova data ou receber 80% do valor.

Valores especiais para grupos a partir de 5 pessoas

Fale com o nosso atendimento para maiores informações!

× Como posso te ajudar?